Como escolher a plataforma de e-commerce ideal e divulgar o seu negócio

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

e-commerce

O desafio de escolher uma boa plataforma de e-commerce faz parte da rotina dos empresários que desejam abrir uma loja virtual. As preocupações, nesse caso, são quase tão grandes quanto as que existem no momento de instalar uma loja física. É preciso estar atento ao valor, à facilidade de interação com a plataforma por parte do cliente e do empresário, e à possibilidade de adequações às especificidades do negócio.

Vale destacar que o crescimento do acesso à internet tem popularizado cada vez mais as compras online, principalmente pela grande comodidade que oferecem. Uma pesquisa da E-bit mostra que nos 6 primeiros meses de 2015, o setor de e-commerce já faturou R$ 16,8 bilhões, mais do que no mesmo período do ano passado. Uma prova de que o comércio online não para de crescer.

Agora que você já viu que não pode ficar de fora desse mercado, veja o que deve considerar na hora de escolher a sua plataforma de e-commerce:

Tipos de plataforma

Existem três tipos principais de plataforma que vão atender às necessidades da sua loja online dependendo do momento em que ela estiver. Veja:

Aluguel

Nesse modelo, uma empresa especializada no desenvolvimento de sistemas online cria uma plataforma que é fornecida para outras empresas. No caso dos e-commerces, essa plataforma configura um site padrão, personalizado por cada loja e que funciona mediante o pagamento de uma mensalidade.

Esse serviço tende a ser mais barato, pois os custos de produção e manutenção são divididos entre todos os usuários. Dessa forma, é uma excelente opção para quem está implantando um negócio. Outra vantagem é a possibilidade de contar com o apoio de uma equipe especializada, fornecida pela própria empresa que cria o sistema.

No entanto, elas tendem a ter menor possibilidade de customização, uma vez que o serviço é padronizado, mas pode agregar novas funções conforme o crescimento do negócio.

Compra

Essa categoria de plataformas tem funcionamento bastante parecido com o primeiro, mas diferencia-se na forma de negócio: aqui, o dono do e-commerce compra uma licença de utilização da plataforma. De cara, destaca-se que o valor investido é bastante superior se comparado ao aluguel, pois é preciso comprar todo o sistema de uma vez.

As possibilidades de customização também são pequenas e o comerciante pode ter problemas ao precisar adaptar seus processos às funcionalidades do sistema.

Plataformas personalizadas

Por fim, chegamos às plataformas feitas sob medida para o seu e-commerce. Esse é o tipo ideal, pois pode moldar-se aos processos estabelecidos. Porém, demanda um investimento ainda maior que a compra de uma plataforma pronta. Por isso, é mais indicada para aqueles que já têm um negócio estabelecido e com grande rendimento.

A principal responsável pelo alto valor desse serviço é a personalização das ferramentas, que podem otimizar processos e facilitar o dia a dia de trabalho do empresário — e até mesmo a experiência de compra do usuário.

Conhecendo a plataforma

No que diz respeito à plataforma, depois de escolher o melhor modelo de negócio para o seu e-commerce, você também deve verificar quais funcionalidades ela oferece. Nesse ponto, existem alguns fatores que não podem passar despercebidos:

  • A plataforma tem URLs amigáveis e permite o cadastramento de informações de SEO? Isso é muito importante para que as pessoas te achem nas buscas do Google.
  • O site tem capacidade para se adaptar a celulares e tablets? O Google prioriza esses sites responsivos nas buscas.
  • É possível integrar o site com plataformas de anúncios e redes sociais? Isso vai facilitar e muito o seu trabalho de divulgação.
  • Que tipos de relatórios são oferecidos? Eles vão ajudar a traçar estratégias de gestão para o e-commerce e analisar o trabalho que vem sendo desenvolvido.

Avaliando o fornecedor da plataforma

Conhecer a empresa responsável pela produção da plataforma que você vai usar no seu e-commerce é extremamente importante. Antes de tomar alguma decisão, investigue a história da empresa, descubra há quanto tempo ela existe no mercado, veja se outros comerciantes utilizam a ferramenta e veja qual a experiência deles, tanto no que diz respeito às funcionalidades do sistema, quanto ao atendimento do fornecedor.

Optar por desenvolvedores que tenham experiência de mercado é mais uma garantia que você deve ter.

Como divulgar o meu e-commerce pela internet?

Depois de planejar todo o seu negócio, é chegado o momento de divulgá-lo. Veja quais são as boas práticas para deslanchar suas vendas:

O que você deve fazer

  • Anúncios: é a forma mais rápida de garantir tráfego e vendas para o seu e-commerce. Você pode apostar em estratégias de links patrocinados no Google ou em redes sociais, como Facebook, Instagram e Twitter. A diferença básica entre eles é que no Google o usuário já demonstrou interesse em comprar, enquanto que nas redes sociais você precisa chamar sua atenção. É primordial ficar de olho nos valores para não perder dinheiro.
  • Conteúdo: a produção de conteúdo ajuda a melhorar o seu posicionamento orgânico no Google (aquele que não é pago). Esse pode ser um grande diferencial, pois você se torna uma referência para seus consumidores e cria um bom relacionamento com eles.
  • E-mail marketing: por muito tempo deixado de lado por sua banalização, o e-mail marketing destaca-se nessa estratégia de vendas, pois você pode falar diretamente com um público muito interessado em seus produtos. O interessante aqui é não comprar listas de e-mail, mas conquistar a sua própria base de contatos e personalizar as mensagens de acordo com o perfil do cliente.

O que evitar

  • Não conhecer seu público: é o pior erro que você pode cometer. Ao ignorar essa informação, você pode jogar no lixo verbas para anúncios e produção de conteúdo, principalmente por falar com quem não está interessado nos seus produtos.
  • Usar qualquer foto: depois de tanto esforço para trazer tráfego para o seu site, se você não tiver um bom investimento em imagens, o seu cliente pode desistir da compra por não ter uma boa visualização do seu produto. Outra questão negativa em usar fotos ruins ou da internet (sem contar os problemas legais), é que o cliente pode perceber a diferença entre o que foi anunciado e o que foi recebido, gerando insatisfação.
  • Não trabalhar corretamente os produtos relacionados: os produtos relacionados são uma seleção de itens que podem completar a venda e a experiência do cliente e aumentar o valor da compra. Então, foque nesse ponto!

Gostou das nossas dicas para escolher e divulgar a sua plataforma de e-commerce? Se você ainda tem alguma dúvida, deixe um comentário e compartilhe-a com a gente!

banner - 600x100

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn