Liderança e motivação: conheça os 8 segredos de uma equipe engajada

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

liderança e motivação

Liderança e motivação são elementos fundamentais para qualquer organização. Isso porque um colaborador motivado tem uma produtividade até 50% maior, conforme pesquisa realizada pela Right Management, consultoria especializada em gestão de pessoas. Mas a pergunta que fica para o empreendedor é: o que fazer para incentivar o funcionário e deixá-lo satisfeito com a empresa?

O primeiro passo é garantir que a equipe mantenha-se engajada e sinta-se parte da organização, uma peça importante e fundamental para o andamento do negócio. Para isso, é preciso ter uma boa gestão de recursos humanos, que passa, obviamente, por um líder eficiente. Ele sabe qual é seu papel na organização e age de acordo com o que é necessário para o desenvolvimento dos potenciais dos colaboradores.

Assim, muito mais do que oferecer um bom salário, estabilidade e um emprego tranquilo, o engajamento pressupõe a satisfação do colaborador em relação ao ambiente de trabalho, seu bem-estar e qualidade de vida, além do desenvolvimento do seu desempenho pessoal e profissional.

Considerando todas essas características e o cenário pelo qual as empresas passam atualmente, este post vai apresentar tudo o que você precisa saber para motivar seus funcionários. Você verá quais são as características dos líderes, seus principais desafios, como formar e manter uma equipe engajada e quais são os erros que não podem ser cometidos pelo líder.

Seguindo as indicações, o resultado será uma equipe engajada e motivada, que produz mais e apresenta melhores resultados — ou seja, uma equipe de alta performance. Continue lendo e descubra os 8 segredos para alcançar esse objetivo.

Quais são os maiores desafios dos líderes hoje?

Ser líder é diferente de ser chefe. A condição de chefia está relacionada à posição que a pessoa ocupa na hierarquia da empresa; ele é responsável (e, principalmente, responsabilizado) pelos resultados da sua equipe, e por isso uma de suas preocupações é como alcançar as metas estabelecidas pela empresa.

Já ser um líder está relacionado mais à postura adotada em relação à equipe do que ao cargo exercido. O líder estabelece parcerias com os colegas e trabalha em conjunto, valorizando os colaboradores e preocupando-se com o seu bem-estar. Algumas características de um profissional com um perfil de liderança são:

  • visão estratégica;
  • autoconhecimento;
  • experiências desafiadoras;
  • maximização de valores;
  • construção de alianças;
  • cultivo de talentos;
  • aprendizado constante.

Devido a essas características, manter uma postura de liderança é fundamental para que o chefe obtenha melhores resultados e retenha talentos. Com a redução dos índices de turnover (ou seja, rotatividade de colaboradores), é possível melhorar a produtividade, o rendimento e as finanças do negócio, já que não é preciso fazer demissões, admissões e processos seletivos com tanta frequência.

Assim, podemos afirmar que os dois perfis são bem diferentes. Nem todo líder é chefe e nem todo chefe é líder, mas é muito possível que uma só pessoa reúna os dois conjuntos de características. Dessa forma, conquista não só os resultados esperados pelos gestores, mas também a confiança dos integrantes da equipe.

+ LEIA TAMBÉM: 5 hábitos para se tornar uma pessoa mais produtiva

Características fundamentais de um líder motivador

A motivação é o que impulsiona os colaboradores. Uma equipe motivada estará mais atenta e disponível para o seu trabalho, atuará de maneira mais proativa e se dedicará mais para alcançar resultados profissionais e pessoais. Para isso, a figura do líder motivador é fundamental.

Há 5 características principais que os líderes devem incorporar para serem motivadores. Confira a seguir quais são elas:

Boa comunicação

Além de repassar as informações de forma adequada, o bom líder também deve saber ouvir as reivindicações dos colegas de equipe.

Participação com o grupo

O líder deve participar dos projetos junto com a equipe e garantir que sejam alcançados tanto os interesses individuais dos colaboradores quanto as metas globais, estipuladas pela empresa. Essa interação é fundamental para que todos tenham um bom relacionamento entre si e com o líder, fortalecendo sentimentos de confiança e respeito.

Proximidade com os colaboradores

O líder deve ficar próximo da sua equipe, evitando criar barreiras que atrapalhem o desempenho da equipe. A proximidade também ajuda a compreender o perfil de cada colaborador e entender quem se dará melhor com cada tipo de tarefa. Dessa forma, é possível chegar mais facilmente aos resultados.

Preocupação com a equipe

Demonstrar que se preocupa com a equipe faz com que os colaboradores entendam que podem contar com o seu líder, o que aumenta a motivação para lidar com os problemas diários.

Respeito às individualidades

É importante que o líder reconheça a individualidade de cada colaborador e conheça seus pontos fortes e fracos. Isso permite realizar um trabalho específico com cada membro do time, desenvolvendo habilidades e capacidades e aumentando a satisfação entre a equipe.

Desafios de um bom líder

O ato de liderar também apresenta grandes desafios para os dias atuais. Veja quais são eles:

Construir uma equipe e mantê-la

É difícil construir uma equipe talentosa e motivada, e mais ainda conseguir mantê-la. Algumas formas de fazer isso são repassar feedbacks, promover momentos de confraternização no alcance de metas e oferecer benefícios aos colaboradores.

Ser maleável

O líder deve ser flexível e se adaptar às situações, encontrando a solução mais rápida e adequada ao problema.

Conciliar demandas

O líder deve conciliar a cobrança por resultados, feita pelos gestores, e por melhores condições de trabalho, por parte dos colaboradores. É preciso equilibrar esses pedidos para atingir resultados e manter a equipe motivada.

Motivar a equipe

A motivação é um grande desafio, mas traz impactos positivos, por exemplo, aumentando a produtividade.

Prever problemas e encontrar soluções

O líder deve acompanhar as mais diferentes informações do negócio para prever possíveis mudanças de cenário e falhas que estejam ocorrendo, encontrando soluções o mais rapidamente possível.

Assumir a responsabilidade

Erros podem ocorrer e cabe ao líder assumir a responsabilidade perante os gestores. Assim, a equipe sabe que pode contar com ele. Por outro lado, ele deve repassar feedbacks para os colaboradores a fim de que as falhas não voltem a acontecer.

Maximizar seu tempo

O líder tem diversas funções e precisa saber conciliar todas elas. Por ter grande demanda de trabalho, ele deve atuar de forma a ouvir os colaboradores, ajudá-los no que for necessário, verificar metas e indicadores e prestar contas aos gestores.

Realizar uma gestão de pessoas eficiente

O líder deve saber gerenciar pessoas e equilibrar os desejos pessoais e os da empresa. Uma das principais questões a serem observadas aqui é o turnover, para reter talentos e criar uma equipe vencedora.

Reavaliar seu papel como líder

Não basta atuar como líder: é preciso rever suas ações, refletir sobre elas e verificar os pontos que podem ser melhorados. Uma iniciativa que ajuda nesse sentido é ouvir os colaboradores da equipe, que podem apontar características que devem ser trabalhadas.

Fazer uma reflexão pessoal e analisar sua própria função é fundamental. Somente dessa forma será possível buscar o desenvolvimento das competências exigidas para a liderança.

Manter-se motivado

Para ter colaboradores motivados, o líder deve estar motivado também. Parece óbvio, mas é bastante comum que a pessoa à frente da equipe tenha problemas com a empresa ou esteja repensando seus objetivos pessoais e profissionais, o que impacta diretamente no seu trabalho.

Por ser um exemplo, os colaboradores percebem que o líder está desmotivado e acabam sentindo-se da mesma forma, porque veem esse sentimento como um sinal de que não vale a pena investir na organização.

Veja os 8 segredos para formar uma equipe engajada

Ter uma equipe engajada não é uma tarefa impossível, mas exige empenho, esforço e dedicação. O líder deve saber equilibrar as pressões de gestores e colaboradores para obter o melhor resultado final possível.

Porém, é preciso entender exatamente o que significa ter uma equipe engajada. Esse sentimento passa pela identificação dos colaboradores com a empresa, pelo relacionamento que estabelecem com a empresa e com os colegas, pelas recompensas que conquistam e pelo valor da remuneração.

Mais do que isso, uma equipe é engajada quando os colaboradores sentem-se pertencentes à organização, compreendendo que suas atividades fazem parte de algo maior e que seus objetivos pessoais devem estar alinhados às metas da empresa.

Eles ainda devem visualizar possibilidades de crescimento, desenvolver projetos e ideias, ter responsabilidade e autonomia, e verificar um senso de colaboração no ambiente de trabalho.

Um bom líder sabe trabalhar todos esses elementos para chegar a um denominador comum. Parece difícil, certo? E realmente pode ser complicado. Mas se você tiver as características listadas anteriormente, já está um passo mais próximo de conquistar uma equipe engajada.

Para ter ainda mais assertividade, existem 8 segredos que aumentam o engajamento da equipe. Eles devem ser compreendidos pelo líder como orientadores, um caminho seguro que pode ser perseguido para alcançar o sucesso.

Conheça esses segredos a seguir:

Priorizar a transparência das relações

Um líder deve ter cuidado ao falar, mas não pode dizer apenas o que as pessoas querem ouvir. Quando suas ações são pautadas na tentativa de agradar a todos, o resultado pode até ser confortável em curto prazo, mas, na verdade, o problema está sendo apenas adiado.

Por isso, seja transparente e fale o que precisa ser falado, mesmo que seja uma crítica. Caso contrário, o colaborador pode descobrir que você mentiu, perdendo a confiança e sentindo-se desmotivado.

Saber reconhecer um funcionário

Valorizar e reconhecer as boas práticas dos colaboradores é fundamental para formar uma equipe engajada. Mas como fazer esse reconhecimento? A melhor forma é o feedback, conversa na qual são repassados os pontos positivos e negativos do funcionário.

Outras ações também podem motivar o colaborador. Por exemplo: levá-lo para defender determinada ideia de projeto para a diretoria, especialmente se foi ele quem pensou na possibilidade.

Delegar tarefas e responsabilidades

O líder deve saber delegar tarefas e responsabilidades aos colaboradores, mostrando que confia no trabalho deles. Essa é uma forma de motivar e reconhecer que o funcionário está realizando um bom trabalho.

Além disso, um ponto positivo de saber delegar tarefas é otimizar o processo produtivo, já que a centralização de atividades faz com que o líder não dê conta de todas as suas funções, prejudicando o andamento do trabalho.

Compartilhar os valores da empresa

O colaborador deve conhecer os valores da empresa, mas nem sempre isso acontece. O mais comum é que ele esteja trabalhando e não saiba qual é a missão, os valores e a visão com os quais deveria estar alinhado. Dessa forma, ele não entende o que a empresa espera dele e, por consequência, não tem uma produtividade tão boa quanto poderia ter.

Por isso, é importante que o líder converse com cada colaborador, compartilhando os valores da empresa e verificando se eles estão alinhados aos do funcionário. Isso deve ser feito na contratação, mas também mensalmente, relembrando sempre.

Criar metas e estipular desafios

As metas são fundamentais para o crescimento das empresas e para o engajamento dos colaboradores, que, de outra maneira, podem não ter tanta clareza sobre a direção que devem seguir. Além disso, elas são desafios para a equipe e estimulam que eles desenvolvam habilidades e competências.

Aprender coisas novas também mantém os colaboradores motivados, especialmente se eles já têm um perfil que gosta de ser desafiado. Por isso, compreender as motivações individuais também é uma boa alternativa.

Incentivar sua equipe a pensar em soluções inovadoras

Permitir que os colaboradores pensem em sua própria forma de solucionar um problema pode ser a melhor maneira de incentivá-los. Por isso, motive os funcionários a pensar “fora da caixa”, encontrando soluções inovadoras.

Essa postura também traz benefícios para a empresa que vão além da motivação da equipe. Com ela, novas ideias são testadas na companhia e podem ser implementadas, melhorando o processo produtivo ou até mesmo ampliando a gama de produtos ou serviços oferecidos pelo negócio.

Investir no capital humano da empresa

É claro que, para engajar seus colaboradores e ter uma equipe de alto desempenho, a empresa precisa investir no capital humano. Essa visão vem se expandindo e se popularizando nos últimos anos e, hoje em dia, os recursos humanos têm sido considerados o principal ativo de qualquer organização. Isso porque eles compõem o capital intelectual e agregam valor à empresa, oferecendo vantagem competitiva.

Investir no capital humano não é somente aumentar a produtividade e reter talentos, mas também uma forma de obter melhores resultados, desenvolver habilidades e agir estrategicamente.

Ser flexível e humano

Já falamos da importância de o líder ser maleável, a fim de encontrar as melhores soluções para os problemas que aparecem no dia a dia. Neste tópico, a ideia de flexibilidade não está relacionada a isso, mas sim à capacidade de ter empatia e agir com humanidade no seu relacionamento com os colaboradores.

Saber ouvi-los, entendendo suas demandas e estudando possibilidades reais para atendê-las quando for possível e pertinente, é um desafio enfrentado por muitos líderes, mas que faz muita diferença na maneira como ele se relaciona com a sua equipe.

Por isso, a comunicação é fundamental, tanto para compreender o que seu time espera quanto para conquistar sua confiança. O objetivo, nesse caso, é permitir que os colaboradores se sintam à vontade para exporem suas ideias e problemas. Assim, todos estarão engajados para o desenvolvimento da equipe e dos processos realizados na organização.

BANNERs_blog_GENERICO735x123

Quais erros um bom líder não pode cometer?

Já vimos as características necessárias aos líderes e os 8 segredos que fazem uma equipe ser engajada. No entanto, também existem erros que não podem ser cometidos. Caso contrário, toda a estratégia repassada neste post não terá efeitos positivos.

Mas, então, quais são esses erros? Neste post, trazemos os 7 principais. Todos estão relacionados com os pontos já vistos ao longo do texto, mas é importante reforçá-los para evitar incorrer em falhas. Veja quais são os erros a seguir:

Tratar todos os colaboradores da mesma forma

Cada pessoa tem suas particularidades e essa individualidade deve ser respeitada. Por isso, é importante que o líder tenha uma boa visão da equipe, entendendo o perfil de todos os colaboradores que fazem parte dela.

Dessa forma, é importante que as críticas, elogios e feedbacks sejam repassados da maneira mais adequada para cada pessoa. Assim, evita-se que o colaborador entenda esse retorno de maneira errada e acabe se desmotivando.

Saber mapear os perfis de cada um é a melhor forma de ser assertivo nas interações e na comunicação com a equipe. É fundamental destacar que isso também ajuda a conquistar a confiança de todos.

Agir de forma não condizente com o que fala

O líder é um exemplo e deve se portar como tal. Portanto, não deve agir de forma diferente ao que fala, senão perde a credibilidade em relação à equipe e acaba desmotivando todos. Assim, o líder só deve cobrar aquilo que efetivamente faz.

Guardar conhecimento para si

A ideia do trabalho em equipe é que todos se ajudem e compartilhem conhecimento. Assim, o líder não deve guardar o conhecimento para si. É claro que isso não significa contar para todos sobre ações estratégicas que devem ser mantidas em sigilo, mas sim compartilhar experiências e mostrar o que os colaboradores podem fazer.

Compartilhando o conhecimento, o líder mostra que está seguro no que afirma e tem experiência e estabilidade emocional. Isso também ajuda a criar um canal de comunicação aberto, que pode ser utilizado por todos os colaboradores para sanar dúvidas e trocar ideias.

Subestimar a inteligência dos colaboradores

Um líder que não acredita no potencial da sua própria equipe não está realizando o seu trabalho de maneira efetiva. Isso também passa pela manipulação dos colaboradores — por exemplo: falar em uma reunião que determinada decisão será tomada em conjunto, quando, na realidade, ela já foi realizada.

Isso faz os colaboradores se sentirem ofendidos e desmerecidos e, em última instância, resulta em desmotivação. Assim, o ideal é ser transparente, falar sempre a verdade e ser um exemplo para a equipe.

Não se importar com o desenvolvimento profissional e pessoal da equipe

O líder tem a função de auxiliar para o desenvolvimento profissional e pessoal da equipe. Ignorar essa necessidade faz com que os colaboradores se sintam desmotivados. Além disso, dificulta a retenção de talentos.

Por isso, o ideal é criar um Plano de Desenvolvimento Individual (PDI), no qual devem constar os objetivos profissionais e pessoais de cada um para o ano todo. Depois de definidos os objetivos, cabe ao líder fazer um acompanhamento constante para verificar se o desenvolvimento está ocorrendo conforme o esperado.

Assim, mostre-se interessado pela performance individual e pelo andamento dos objetivos pessoais de cada um. Isso fará o colaborador se sentir pertencente à equipe.

Não explicar o motivo das decisões

Quando fizer alguma orientação ou solicitar que o colaborador realize determinada tarefa ou aja de uma forma específica, explique por que isso está sendo feito. Isso passa segurança para os colaboradores e mostra que você não está ali apenas para mandar, mas sim para trabalhar em conjunto.

Nessas situações, aproveite e pergunte ao colaborador a opinião dele, se ele tem alguma sugestão de melhoria, e apresente o impacto que aquela atividade trará para a empresa. Isso fará com que o funcionário se sinta importante para a equipe.

Falar muito e ouvir pouco

Ouvir os colaboradores é fundamental. Falar muito e ouvir pouco, por outro lado, é uma maneira de desmotivá-los e ter problemas com a equipe.

No entanto, vale ressaltar que não basta ouvir. É importante que o líder esteja atento ao que está sendo solicitado e aberto para opiniões e sugestões. Conforme já foi afirmado, criar um canal de comunicação é fundamental para que todos se sintam pertencentes à equipe.

É importante lembrar que nem sempre as opiniões e sugestões dadas poderão ser aplicadas. Saber filtrar e refletir sobre o que o colaborador está falando é imprescindível para que bons resultados sejam alcançados. Mesmo assim, escute o que ele tem a dizer e responda da melhor forma possível, sem desconsiderar a opinião dele.

Ter uma equipe engajada passa por uma série de fatores e é importante que o líder esteja atento a ela. Seguindo as recomendações repassadas, pode-se alcançar melhores resultados, tanto no que é relativo à produtividade, quanto na satisfação pessoal dos colaboradores.

Assim, a liderança e motivação são essenciais para o sucesso da empresa. Se você quer descobrir quais outros fatores pode aplicar para garantir resultados positivos, assine a nossa newsletter e conheça muitas outras dicas.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn