Saúde do negócio: separe contas pessoais do caixa da sua empresa

separe contas pessoais do caixa da sua empresa

Analise a seguinte situação: certo empreendedor resolve completar os estoques de mercadorias para cobrir uma demanda inesperada com um desembolso da sua conta corrente pessoal. Afinal, a demanda era urgente e volumosa, mas não havia caixa disponível para este fim. Ao final do mês, satisfeito ao perceber um lucro razoável, resolve tirar o dinheiro do caixa da empresa para comprar a televisão que sempre sonhou. Identificou-se com esse empreendedor? Caso a resposta seja positiva, é sinal de que algumas coisas precisam mudar.

A confusão patrimonial, isto é, a mistura entre as contas pessoais do empreendedor e as contas da empresa, é uma situação que pode trazer uma série de problemas para o negócio. O primeiro deles é a falta de controle financeiro e, ao contrário do que muitos pensam, esse descontrole não afeta apenas os recursos do negócio, mas também as finanças pessoais. Neste post, pretendemos falar um pouco mais sobre a importância de separar as contas para que você consiga prosperar ainda mais com a sua empresa. Confira!

Descontrole financeiro pode forçar a dissolução da empresa

Muitos empreendedores enfrentam dificuldades para planejar o crescimento da empresa simplesmente por não realizarem um controle efetivo das finanças, e a confusão entre os patrimônios empresariais e pessoais contribui muito para o problema — uma vez que os dados são distorcidos. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), metade das empresas brasileiras fecha as portas em apenas três anos justamente por não controlar as finanças de maneira adequada.

É preciso saber exatamente quanto o seu negócio consegue gerar de lucro e, para isso, é indispensável que não se misture as contas, além, é claro, de que seja realizado um efetivo controle dos fluxos de caixa. Só dessa forma o empresário conseguirá reunir dados precisos para tomar decisões mais acuradas, o que contribui, principalmente, para planejar o crescimento, realizar investimentos e criar condições favoráveis para cumprir com obrigações, principalmente aquelas provenientes de instituições financeiras.

Separando as contas empresariais e pessoais

Para acabar com o problema, é fundamental que o empresário defina com clareza qual deve ser a participação dos sócios sobre o lucro, e isso deve ser feito, inclusive, no contrato social da empresa. No caso do sócio que administra a empresa, é importante definir o seu pró-labore (sua remuneração pela função administrativa), principalmente se estamos falando de uma empresa individual de responsabilidade limitada — caso em que a confusão patrimonial é ainda mais comum. Além disso, não podemos nos esquecer de que o próprio gestor deve se conscientizar da importância da separação de contas, já que o problema, muitas vezes, é justamente a negligência nesse aspecto.

Por fim, a tecnologia e os serviços contábeis também podem ajudar nessa tarefa. A primeira por possibilitar a automação de todos os processos financeiros, como a emissão de notas ficais, o registro de fluxos de caixa, entre outros. Atualmente, existe uma série de aplicativos e softwares destinados para essas finalidades. O contador, por outro lado, pode auxiliá-lo a definir a participação societária de acordo com o histórico das atividades da empresa, além, é claro, de definir também o pró-labore do sócio-administrador. São pequenos passos, mas que podem gerar muitos benefícios para o negócio.

Você já passou por algum problema ao misturar as contas pessoais e empresariais? Conte como resolveu a situação nos comentários e confira ainda estas quatro dicas para uma empresa sair do vermelho.

banner - 600x100