10 formas de solucionar problemas de fluxo de caixa nas grandes empresas

Você não é o único que precisa solucionar problemas de fluxo de caixa. E isso acontece com todas grandes empresas! Por isso, selecionamos ótimas dicas para você dar o pontapé para resolver esse obstáculo.

Você precisa saber como solucionar problemas de fluxo de caixa na sua empresa? Você não é o único. Em 2015, o noticiário internacional foi inundado com as últimas informações sobre a Grécia e sua crise de dívida nacional. O país passou anos negociando com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional uma maneira de como resolver o pagamento da sua dívida.

“O motivo pelo qual a Grécia está com frequência no noticiário financeiro é que o país não tem fluxo de caixa para efetuar atualmente os pagamentos vencidos dos seus empréstimos… O problema da Grécia não é o tamanho da dívida nacional, ao invés disso, é o problema da falta de fluxo de caixa”, disseram os professores Derrald, Earl e James Stice na publicação de um estudo sobre como os problemas de fluxo de caixa podem aniquilar empresas lucrativas.

A Grécia não tinha dinheiro suficiente para saldar as suas obrigações. E com isso, surgiu a questão: como resolver os problemas de gestão de fluxo de caixa em grandes empresas? Muitas empresas boas tiveram morte prematura porque não gerenciaram adequadamente o seu fluxo de caixa.

Os empréstimos são quitados com dinheiro. Os funcionários são pagos com dinheiro. Os fornecedores são pagos com dinheiro. Os impostos são pagos com dinheiro.

Uma empresa não consegue viver por muito tempo quando não consegue gerenciar corretamente o seu fluxo de caixa para poder quitar seus empréstimos, pagar seus funcionários, pagar seus fornecedores e pagar seus impostos.

“Até mesmo empresas lucrativas podem ter problemas de fluxo de caixa”, disseram os professores Derrald, Earl e James Stice.

A importância do fluxo de caixa positivo

Na atividade comercial, nos concentramos muito no lucro, mas é fácil esquecer que operar com um fluxo de caixa positivo pode ser igualmente importante. As empresas podem dar lucro e mesmo assim não terem fluxo de caixa suficiente – na pior das hipóteses, o fluxo de caixa insuficiente numa empresa durante um longo prazo pode levá-la à falência.

Na atividade de manufatura, vejamos o exemplo de uma empresa automotiva fabricando peças de carro e vendendo-as com lucro. Existe uma grande cadeia de fornecimento e os clientes do mercado atacadista com os quais você trabalha podem levar meses para pagar as faturas.

No entanto, os fornecedores com os quais você trabalha para criar as peças muitas vezes querem ser pagos após o recebimento ou depois de algumas semanas. Mesmo se você tiver um ótimo produto cuja venda está aumentando, você estará em apuros se tiver que ficar entre os fornecedores que querem que você pague e os compradores que são lentos para pagar.

Embora sua empresa seja lucrativa, essa situação significa que você não consegue pagar os fornecedores em dia ou arcar com as despesas operacionais e com a folha de pagamento.

Você estará em crise de fluxo de caixa.

Por outro lado, as suas vendas podem crescer com a entrada de dinheiro, mas isso não significa necessariamente que você está tendo lucro, se você estiver gastando demais em outros setores.

Se você emprestar dinheiro para resolver os problemas de fluxo de caixa, o aumento dos custos da dívida pode aumentar os custos acima do que você está ganhando. No fim o fluxo de caixa acaba e a empresa entra em falência.

As grandes empresas e seus departamentos financeiros constantemente procuram formas de melhorar o fluxo de caixa. Eis aqui dez formas de solucionar os problemas de fluxo de caixa da sua empresa – veja qual delas pode se aplicar melhor à sua companhia.

1. Aumente os seus preços

Da mesma forma que as pequenas empresas, as grandes também precisam tomar cuidado com o aumento dos preços – um equilíbrio entre aumentar o preço e fazê-lo de forma a não afastar ou perder clientes.

Em 2017, foi amplamente divulgado que a gigante Netflix aumentou os preços dos seus produtos, o que causou uma repercussão na mídia e nos canais sociais. No entanto, o sucesso da Netflix é cada vez maior, e a maioria dos seus clientes acreditam que o valor do produto que recebem vale o que eles pagam.

O momento certo é crucial quando se trata de aumentar preços. Por exemplo, a Netflix escolheu o momento certo para aumentar os preços, oferecendo uma seleção de novos programas que só estão disponíveis através de seus serviços – as séries aclamadas pela crítica como The Crown e Stranger Things bem como um maior enfoque na criação de produções de filmes de qualidade cinematográfica em combinação com atores como Brad Pitt, Will Smith e Adam Sandler.

A lição a ser aprendida? Evite chocar a sua clientela e procure formas de poder mostrar mais valor do seu produto.

2. Reduza o custo da sua folha de pagamento

A folha de pagamento é tipicamente a maior despesa de uma empresa. A dura realidade é que quando as receitas diminuem abaixo de um certo ponto, despedir funcionários é a principal forma de estancar a saída do fluxo de caixa.

Se a sua empresa não tomar essa decisão, ela precisa ver o que vai cortar, quando cortar e como minimizar os danos. Despedir funcionários pode ser extremamente traumático para qualquer empresa, mas, apesar de difícil, a emoção precisa ser eliminada da equação – as decisões sobre quem sai e quem não sai devem ser baseadas na capacidade, ao invés de quem é mais sênior e quem especialmente precisa mais do emprego.

No entanto, existem outras formas mais agradáveis de reduzir os custos com a folha de pagamento: reduzir a semana de trabalho, reduzir salários, transformar trabalhadores de tempo integral em meio período, decretar permissão para faltar e cortar gratificações.

Anunciar cortes pode ser um dos maiores desafios para as empresas líderes – você precisa encarar seus funcionários, ser honesto, verdadeiro e apelar para o senso de razão deles. Demissões fazem parte da vida nos negócios – mas você pode desempenhar o papel de ajudar os funcionários a perceberem que não é o fim do mundo.

3. Livre-se do excesso de estoque

Se você é um fabricante e tem excesso de estoque na forma de mercadorias produzidas que você não conseguiu vender, então você efetivamente tem dinheiro parado que pode representar um escoamento dos lucros e do fluxo de caixa, se você não conseguir vendê-las.

O melhor panorama é evitar esta situação, se você conseguir – com a tecnologia certa você pode prever as vendas corretamente para evitar comprar demais. Infelizmente, é improvável que você consiga recuperar todos os seus custos, mas você pode atenuar o prejuízo de ter estoque adicional e custos de repasse, pois há uma redução do valor à medida que o estoque envelhece.

Procure formas de reduzir o seu estoque – por exemplo: o seu fornecedor talvez conceda a você um reembolso ou devolva o dinheiro com um desconto razoável. Se o seu estoque for na forma de matérias-primas, você pode usá-lo em outras linhas ou outras fábricas. Você talvez possa até trabalhar com os concorrentes, compartilhando estoques e suprimentos.

4. Negocie com os fornecedores

Constatar que a sua empresa está numa posição de desvantagem com os fornecedores pode afetar negativamente o fluxo de caixa, o que significa que você deve procurar meios de oferecer valor e conseguir concessões no preço.

Um dos modos de você fazê-lo é oferecendo uma forma de chegar a novos mercados. Se você faz parte de uma empresa de alimentos e bebidas que está se deparando com um aumento de preços do fornecedor, você pode oferecer oportunidades para entrar e ser bem-sucedido em novos mercados em desenvolvimento que um fornecedor não conseguiria atrair.

Uma outra forma de você conseguir concessões de preços de um fornecedor é reduzir os riscos. Por exemplo, se você for um fabricante de produtos químicos que esteja se deparando com um aumento de preços do fornecedor, é possível persuadí-los a manter os preços mais baixos firmando um contrato de longo prazo, o que do lado para ele será uma aposta mais segura do que lidar com as flutuações da economia a curto prazo.

Se você não conseguir encontrar formas de oferecer mais valor a um fornecedor, pense em fazer mudanças financeiras na maneira como você compra – por exemplo, consolidando os pedidos de compra.

5. Considere uma fusão de empresas

Fusões e aquisições são rotina no setor financeiro corporativo, com as manchetes de jornais sempre destacando a possibilidade de empresas se juntarem para formar companhias maiores. As fusões dizem respeito à combinação de duas empresas, ao passo que a aquisição é quando uma empresa compra outra.

No espaço de planejamento de recursos empresariais, essas transações podem valer bilhões de dólares. Há alguns bons motivos pelos quais a fusão de empresas tem um efeito positivo no fluxo de caixa – como, por exemplo, aumentar as receitas e reduzir custos gerais, resultando na necessidade de demissões e a capacidade de atrair mais capital.

Outras formas através das quais as fusões podem aumentar o fluxo de caixa é criando experiências melhores para os clientes e novos produtos nos quais as empresas estejam dispostas a consumir mais. Você também pode criar uma equipe de gestão mais qualificada, sobretudo se as duas empresas resultarem em uma boa combinação cultural e se complementarem uma a outra.

As fusões também oferecem uma forma de atingir novos mercados e locais geográficos, o que pode aumentar seu

market share

e resultar em mais dinheiro.

6. Venda os bens que você não precisa

Um efeito natural das fusões e aquisições é que as entidades comerciais podem acabar tendo bens que não são essenciais. A eles pode faltar tempo de gestão e investimento, o que acaba tornando-os bens indesejados e que podem exaurir as finanças. Às vezes, vale a pena vender esses bens não essenciais a outras empresas, que podem aproveitar melhor o que esses bens podem produzir.

Essa pode ser uma boa forma de evitar a escassez de dinheiro e investir mais capital no seu negócio principal – e, em alguns casos, a única forma de uma empresa continuar operando.

Uma coisa para lembrar é que, embora a venda de bens vá aumentar o seu fluxo de caixa, isso não significa necessariamente que ele vai deixar a sua empresa em uma melhor condição. Por exemplo, se a sua empresa vender uma divisão por milhões, não vai ganhar dinheiro para você no ano que vem e não poderá ser vendida novamente.

Veja o caso da General Electric. Resultados péssimos em 2017 resultaram em planos para vender US$ 20 bilhões em bens não essenciais para melhorar o fluxo de caixa. Porém, ainda não se sabe se após essa venda ela continuará sendo atraente para os investidores.

7. Adie os seus gastos de capital

Há bons motivos para as empresas terem gastos elevados de capital, sobretudo em setores que exigem um investimento expressivo em áreas de inovação para crescimento futuro.

No entanto, os orçamentos de investimento podem consumir uma grande parte do fluxo de caixa e, às vezes, decisões difíceis precisam ser tomadas sobre reduzir o dinheiro gasto na aquisição ou na manutenção de bens.

É nesta área que os líderes financeiros precisam ter um bom conhecimento sobre as necessidades de capital para projetos futuros, o balancete e as restrições do fluxo de caixa. As análises preditivas podem ser vitais, já que podem produzir informações que permitem que a empresa entenda onde deve e não deve cortar as despesas para ajudar no fluxo de caixa.

Talvez seja necessário que você faça uma análise de custo-benefício completa para justificar as despesas, comparando os custos envolvidos com possíveis benefícios.

No setor de atacado e distribuição, por exemplo, embora cortar a despesa necessária para melhorar a eficácia de um armazém possa ajudar no fluxo de caixa, isso poderá resultar em custos a longo prazo para a empresa se ela não aumentar o armazenamento e acesso a estoque.

8. Desative as partes da sua empresa que causam prejuízo

Às vezes, as grandes empresas podem ter que desativar as suas divisões que causam prejuízos para se concentrarem nos seus mercados maiores. Pode ser que um fabricante de automóveis esteja perdendo dinheiro em uma operação na Europa por causa do aumento da concorrência e de grandes despesas gerais, mas siga com lucro em um país em desenvolvimento e com melhores perspectivas de crescimento.

Portanto, pode fazer sentido desativar a parte da empresa que causa prejuízo e se concentrar na parte operacional em melhor condição. Na pior das hipóteses, uma empresa pode considerar ser desativada por completo, para evitar o risco de perder dinheiro durante a sua produção contínua.

Com isso, pode-se ganhar tempo para avaliar o futuro e o que você deve fazer em seguida para estancar os prejuízos.

No entanto, há uma série de questões relacionadas à tomada dessa medida – você precisará pensar sobre a atenção negativa da mídia que você pode atrair, a perda da confiança junto a seus consumidores e clientes, e como isso vai afetar os funcionários e qualquer estoque perecível que você não vendeu.

9. Contraia uma nova dívida ou refinancie

O refinanciamento é uma parte esperada dos negócios corporativos, que pode envolver reestruturar uma dívida com uma taxa comercial inferior ou emitir novas ações para pagar a dívida.

Se as suas empresas tiverem problemas de fluxo de caixa, o refinanciamento pode ser uma forma de quitar as obrigações da dívida antes de se envolver em mais problemas e recorrer à falência.

Mais positivamente, você pode usar o refinanciamento para aproveitar as melhores classificações de crédito ou condições de mercado favoráveis. Você também pode querer contrair novas dívidas para apoiar uma estratégia de crescimento ou de aquisição, que você previu a longo prazo, e isso aumentará o fluxo de caixa por meio do aumento nas vendas.

Usando o exemplo da Netflix, a empresa ofereceu US$ 1,6 bilhão em novas dívidas em 2017 para financiar um orçamento de conteúdo maior. A ideia em torno disso é atrair novos assinantes internacionalmente com conteúdo original – e a Netflix mais do que atingiu as metas que foram definidas.

O exemplo da Netflix é sem igual no sentido de que atualmente opera com fluxo de caixa negativo, o que se espera que continue por alguns anos. O motivo é que ela paga o conteúdo antes de os telespectadores assistirem. No entanto, a longo prazo, o pensamento é de que ela vai lucrar com a receita recorrente e uma clientela leal.

Se por um lado o fluxo de caixa “negativo” não soa bem, nem sempre isso é ruim – às vezes, você precisa gastar dinheiro para ganhar dinheiro.

10. Adquira capital através do mercado de ações

Se sua empresa atingir um certo tamanho, então, pode chegar a um ponto no seu desenvolvimento no qual você vai querer entrar num mercado público como a Bolsa de Valores.

Isso significa que a sua empresa essencialmente venderá a propriedade na forma de ações, e que pode levantar fundos para aumentar o fluxo de caixa, fazendo a empresa crescer ainda mais. Esse tipo de atividade pode ser um enorme evento para mídia, como as ofertas públicas iniciais (IPOs) gigantes de bilhões de dólares para empresas como Facebook e Google.

O benefício do capital social sobre dívida é que a sua empresa não terá que reembolsar o investimento dos acionistas com juros acumulados. No entanto, espera-se que você proporcione um retorno sobre o investimento para os acionistas a partir de um desempenho positivo no mercado de ações na forma de dividendos e valorização dos papeis.

A desvantagem do ponto de vista da empresa é que os acionistas agora são proprietários de partes da sua companhia, o que significa que você será observado para que eles tenham a certeza de que a sua empresa continuará dando lucro.

LEIA MAIS:

Comentários
Compartilhe: