As habilidades de trabalho necessárias em um futuro próximo

Desenvolvimentos em Inteligência Artificial e aprendizado de máquina, robótica, nanotecnologia, impressão 3D, genética e biotecnologia estão transformando a maneira como vivemos e trabalhamos.

Pesquisas mostram que 65% das crianças que iniciam o Ensino Fundamental hoje acabarão trabalhando em empregos que ainda não existem. Essa é uma estatística alucinante.

Estamos hoje, segundo o Fórum Econômico Mundial, à beira da Quarta Revolução Industrial. Desenvolvimentos em inteligência artificial, machine learning, robótica, nanotecnologia, impressão 3D e genética e biotecnologia estão transformando a maneira como vivemos e trabalhamos. Alguns empregos vão desaparecer, outros vão crescer, e empregos que hoje não existem se tornarão comuns.

No entanto, nosso sistema educacional tem as suas raízes na revolução industrial e prepara os jovens para um mundo que não existe mais.

O desafio das habilidades

Para prosperar no século XXI, os alunos precisam de mais do que o aprendizado acadêmico tradicional. Eles devem ser adeptos de habilidades como colaboração, comunicação e resolução de problemas – desenvolvidas por meio de aprendizados sociais e emocionais – juntamente com habilidades cognitivas mais tradicionais.

Em 2020, as três principais habilidades profissionais projetadas são: solução complexa de problemas, pensamento crítico e criatividade; contudo, as escolas de hoje ainda estão focadas na leitura, na escrita e na aritmética.

Além disso, com a avalanche de novos produtos, novas tecnologias e novas formas de trabalho, as pessoas terão que se tornar mais criativas para se adaptarem. Todavia, de acordo com Sir Ken Robinson, um dos principais especialistas em educação, nossas escolas estão educando as crianças com criatividade.

Então, como identificamos candidatos com a combinação certa de habilidades cognitivas e sociais ou “habilidades humanas essenciais” que os tornam funcionários valiosos?

A solução de habilidades de curto prazo

No curto prazo, é quase impossível avaliar se os candidatos em uma entrevista de emprego têm as habilidades sociais certas. Eles podem dizer que são bons comunicadores ou solucionadores de problemas naturais, mas isso não significa que eles sejam.

Algumas equipes de RH estão encontrando maneiras novas e criativas para avaliar essas habilidades. Por exemplo:

  • Aplicando jogos como parte do processo de entrevista podem ajudar a revelar comportamentos potenciais, valores e qualidades de um candidato.
  • Baseando-se em recomendações e verificações informais de referência como avaliação de caráter.
  • Revendo as páginas de mídia social do candidato para explorar paixões e interesses — 73% dos recrutadores usam as mídias sociais, incluindo LinkedIn, Twitter e Facebook para encontrar candidatos.
  • Aceitar currículos em vídeo também permite que os recrutadores leiam a linguagem corporal de candidatos em potencial, o que é muito mais revelador do que palavras em uma página.

Também é importante entender as motivações dos candidatos; as empresas podem avaliar muito a partir da compreensão não apenas do que os funcionários em potencial pensam, mas do que eles sentem. Por fim, se os candidatos compartilharem valores semelhantes aos da sua empresa, eles terão mais chances de ter as habilidades sociais que você.

Soluções de habilidades de longo prazo

A longo prazo, as equipes de RH podem preparar os candidatos com as habilidades certas de várias maneiras:

  • Identificar as lacunas de habilidades existentes em sua organização e investir em treinamento e desenvolvimento. Empresas bem-sucedidas exploram o potencial de sua própria força de trabalho antes de recrutar externamente.
  • Parcerias com instituições de ensino, como universidades, faculdades comunitárias e câmaras de comércio, para incentivar mais educação e treinamento para as habilidades necessárias no mercado de amanhã.
  • Oferecendo programas de estágios e de aprendizes para desenvolver um fluxo de futuros trabalhadores. Gigante global de engenharia e tecnologia, a Siemens já está oferecendo estágios para garantir que os funcionários sejam treinados para os trabalhos de hoje e de amanhã.
  • Participar de iniciativas de desenvolvimento da força de trabalho do setor público-privado.

Muito disso retorna em grandes experiências no ambiente de trabalho: estabelecer uma única fonte de informações e usar a análise para identificar tendências e lacunas nas habilidades; entender as motivações dos funcionários e observar como o desenvolvimento e o aprimoramento podem impulsionar o engajamento; e criar experiências que enfoquem as maneiras pelas quais um funcionário interage com a sua empresa durante um determinado período. Estar um passo à frente de seu desenvolvimento — por exemplo, oferecer treinamento para capacitá-los em certas áreas antes que eles peçam — pode fazer toda a diferença.

Em 2018, é essencial que estejamos preparando os funcionários de amanhã com as habilidades certas para trabalhar em uma era da informação automatizada, em rápida evolução. Apesar da crescente lacuna de habilidades, há ações positivas que as equipes de RH podem fazer para educar e treinar seus funcionários sobre o futuro. Para expandir seus negócios e atrair os melhores talentos, eles precisam fazer isso agora — antes que seja tarde demais.

Texto originalmente escrito por Paul Burrin para o blog Sage People

LEIA MAIS:

 

Software de gest„o empresarial

Comentários