A inteligência artificial vai continuar a sacudir o mercado em 2018

Tendência para o próximo ano é que mais empresas adotem processos com inteligência artificial como diferencial competitivo.

Pode ser que você não tenha se dado conta, mas a inteligência artificial já é parte importante das nossas vidas. Ela está presente no aplicativo que mostra as condições do trânsito na sua cidade e aprende os seus caminhos preferidos. Ela está presente no seu navegador, que entende os temas que você mais gosta e mostra anúncios segmentados.

Aos poucos, ela vai se fazendo presente em diversos momentos de nossas vidas. Contudo, para algumas empresas ainda existe o receio de investir em algo tão “novo”. Aliás, podemos dizer que o conceito de “novo” é relativo para muitos, pois em diversos mercados a inteligência artificial é uma realidade consolidada.

Em 2018 não deve ser diferente, pelo contrário: o mercado de inteligência artificial deve se expandir consideravelmente no próximo ano, mesmo em áreas nas quais você nem faz ideia de como isso pode acontecer. O fato é que se a informatização foi a primeira grande revolução dos negócios nas últimas décadas, a inteligência artificial tem tudo para ser a próxima.

Transformação do ambiente de trabalho

De acordo com a IDC, até 2025 teremos no mundo cerca de 1 trilhão de dispositivos conectados em rede. Isso significa que haverá muito mais máquinas do que pessoas “agindo” de forma a tornar a sua vida melhor. Obviamente, para as empresas, manter o foco no desenvolvimento dessa tecnologia é uma forma de se destacar perante à concorrência.

A busca pela redução de custos, por exemplo, se torna muito mais prática quando sistemas inteiros se encarregam de analisar quais soluções são mais viáveis ou não. Em muitos casos, será possível redesenhar o ambiente de trabalho, de forma mais otimizada e menos dispendiosa, e provendo recursos que antes poderiam ficar em segundo plano.

Decisões mais assertivas com inteligência artificial

Muitas pessoas ainda têm uma ideia errada de que a inteligência artificial é uma ferramenta que existe meramente para substituir as pessoas em suas respectivas funções. Isso não é verdade. O que vai acontecer – e essa revolução já está em curso – é que as decisões mais simples ou consideradas rotineiras poderão ser tomadas por uma máquina cujo sistema tenha aprendido o seu comportamento.

Em contrapartida, aos humanos será delegado um papel de muito mais responsabilidade e que vai requerer maior preparo técnico. O ponto-chave aqui é deixar de lado as tarefas manuais, exaustivas e repetitivas, que já não requerem tanto esmero intelectual, para permitir que haja mais tempo livre para pensar naquilo que realmente importa.

Diferencial competitivo significativo

Enquanto alguns ficam em dúvida se devem ou não embarcar na “moda” da inteligência artificial, outros agem e tiram proveito disso, se colocando em posições de maior destaque no mercado. É o caso das empresas que adotaram os bots para mensageiros como uma forma de interagir com os seus clientes.

É o caso da rede mundial de cosméticos Sephora, cujo bot oferece produtos da marca para os clientes após eles responderem a um quiz. O sistema analisa as respostas de forma a se tornar mais assertivo na hora de oferecer um produto. Lançado em 2016, o sistema da empresa se aproveitou da tendência e surfou nessa onda desde o princípio – e o bot continua ativo fazendo as suas vendas enquanto muitos ainda decidem se vão adotar essa ideia.

Analisando um grande volume de dados

Outro ponto importante trazido pela inteligência artificial é a possibilidade de ter acesso a informações que antes você sequer imaginaria que poderia precisar. A IBM, por meio do seu projeto Watson, apresenta alguns cases nesse sentido, em que o cruzamento de informações aparentemente desconexas resultou em insights para o negócio.

Um dos comércios analisados, por exemplo, cruzou as informações sobre o volume de vendas de calçados em uma loja física com o clima na cidade no dia em questão. Eles perceberam que nos dias chuvosos as vendas diminuíam. Pensando nisso, elaboraram promoções específicas para dias que a previsão do tempo indicava chuva. O resultado foi que a loja passou a vender mais também nessas ocasiões.

Inovação conta cada vez mais

É difícil imaginar a sobrevivência, nos dias de hoje, de uma empresa que opte por não informatizar os seus processos. Além de perder mais tempo em cada etapa do negócio, o resultado disso será um custo maior de produção, que consequentemente será repassado ao consumidor, mas sem trazer nenhum benefício para nenhuma das partes.

A inteligência artificial chega para aperfeiçoar esse processo. Quanto maior for o seu uso, menores serão os custos individuais e, portanto, mais acessível ela será. O ano de 2018 promete manter o ritmo intenso de crescimento no interesse e na adoção desses sistemas. Em outras palavras: se você ainda não embarcou nessa ideia, já está mais do que na hora de começar a correr atrás.

LEIA MAIS:

Comentários