5 perguntas que você deve fazer para contratar serviços na nuvem

Saiba quais itens devem ser levados em consideração para que você escolha o melhor dos serviços

Diferente do que acontecia no passado, contratar serviços na nuvem para a sua empresa hoje é algo mais fácil de se fazer em virtude do grande número de opções que existe no mercado. Assim, as chances de você encontrar um serviço confiável são maiores. Porém, ainda assim é preciso ficar de olho para saber se a empresa em questão atende às suas necessidades. Para isso, preparamos um guia rápido com perguntas para contratar serviços na nuvem.

Note que esse não é um processo difícil, mas é importante ficar atento aos detalhes por duas razões: a primeira delas é para, caso você precise de uma solução específica, a empresa em questão tenha condições de atendê-lo; já a segunda razão é para que você contrate somente aquilo que precisa, sem a necessidade de pagar por serviços dos quais não vão ter serventia para o seu negócio.

1. Devo comprar ou construir a minha própria nuvem?

Essa é uma questão que vai depender do planejamento da empresa para o futuro e da capacidade do setor de tecnologia da informação. Se a área já está atarefada, provavelmente não terá tempo para fazer programações complexas exigidas pela empresa e os usuários. Nesse caso, a melhor solução é comprar algo que possa ser adaptado com facilidade.

Cada vez mais, os sistemas de gestão, como o Sage Business Cloud Enterprise Management, e outras aplicações são mais personalizáveis e escaláveis — algo fundamental para empresas em expansão. Na hora de fazer uma programação desse tipo, é preciso pensar: a minha solução será capaz de escalar junto com a minha empresa? Ela vai se integrar aos novos serviços e aplicações que surgem diariamente? As respostas a essas perguntas farão toda a diferença no processo de tomada de decisão.

2. Quais sãos os itens dos quais a sua empresa está abrindo mão?

Ao determinar que o seu setor de TI vai desenvolver esse tipo de aplicação, que tipo de projetos e inovações podem ser deixadas de lado? Tenha em mente o seguinte raciocínio: existem diversas soluções no mercado que já realizam esse tipo de serviço, enquanto a área de tecnologia da informação pode se focar em necessidades específicas do seu negócio: desenvolvimento de aplicações; interação entre setores; foco em novos projetos e serviços, entre tantas outras possibilidades.

Quando você opta por desenvolver algo internamente, ocupa a sua mão-de-obra com soluções que, em teoria, seriam concluídas mais rápido se adaptadas. Sendo assim, você precisa pesar se as horas destinadas à construção de uma aplicação custam menos do que o valor que você investiria em uma adaptação. Cada caso deve ser analisado individualmente, mas em geral a adaptação sempre é menos onerosa.

3. A solução encontrada vai atender às suas necessidades?

Será que o seu setor de TI tem a expertise necessária para desenvolver tal solução? A solução vai atender aos desejos e às necessidades específicas de cada área? As aplicações e ideias serão personalizáveis, conforme o interesse e o propósito de cada um desses setores? Essas perguntas são de caráter técnico e devem ser respondidas pelo profissional responsável por essa área na sua empresa.

A resposta positiva a essas questões pode determinar e indicar qual é o melhor caminho para o seu negócio: buscar uma solução já existente ou investir em algo próprio. Por isso, tenha em mente que o custo não é o único parâmetro a ser observado. Leve em consideração os aspectos técnicos, o tempo de implantação e os custos ocultos no processo.

4. O que vai para a nuvem e qual será o tipo escolhido?

Migrar para a nuvem não significa, necessariamente, migrar toda a sua empresa para a nuvem. Sendo assim, é importante que se defina de antemão quais sistemas e funcionalidades estão inclusos nessa mudança e quais departamentos precisão de acesso online. Esse diagnóstico deve ter caráter técnico e financeiro.

Os técnicos avaliam a viabilidade e as possibilidades de integração, enquanto os responsáveis pelas finanças podem indicar se há necessidade de se fazer tudo de uma vez ou se a mudança deve ocorrer aos poucos. Somente após esse diagnóstico é que você deve escolher entre uma solução privada, pública ou híbrida. Aqui, considere não só custos, mas simplicidade de operação, níveis de serviço e suporte técnico disponível.

5. Qual é o nível de segurança que os seus dados precisam?

Teoricamente, quanto maior for a empresa, maiores serão as necessidades de segurança necessárias a serem aplicadas aos dados em questão. Dessa forma, é preciso compreender quão sensíveis são os dados que serão armazenados na nuvem. Por exemplo: falamos de todos os dados dos seus clientes? Então, se eles caírem em mãos erradas você estará diante de um problema enorme.

É importante, portanto, que existam vários níveis de acesso a uma determinada informação dentro da empresa, sendo que alguns até mesmo podem ficar restritos a uma nuvem privada. Porém, nem tudo precisa ter o grau máximo de segurança, pois quanto maior for a necessidade de proteção, maior também será o custo. Por isso, planejar quais dados serão alocados na nuvem é essencial para determinar itens como esses.

LEIA MAIS:

Comentários
Compartilhe: