Nuvem, AI, blockchain e mais: 5 previsões de ERP para 2019

Desenvolvimento do ERP não mostra sinais de desaceleração enquanto entramos em 2019.

Os negócios digitais de hoje dependem de todo tipo de software para a maximização da produtividade e para manter tudo em perfeito funcionamento e da forma mais eficiente possível – desde o processamento de pagamentos, passando por inteligência de negócios até a gestão das interações com clientes.

Entre esses softwares, o Enterprise Resource Planning (ERP) é certamente o mais importante. A ferramenta passou por diversas mudanças desde as primeiras versões dos anos 80 e 90 – quando ainda era conhecida como Materials Requirements Planning (MRP). Embora esses primeiros sistemas tendessem a focar apenas os processos de fabricação, as versões posteriores se estendiam para outras áreas da empresa, incluindo finanças, gerenciamento da cadeia de suprimentos e, mais recentemente, o gerenciamento de recursos humanos (HRM).

A partir da segunda metade da década de 90 eles passaram por mudanças significativas em resposta ao Y2K (bug do milênio) e à chegada do euro, tornando-se um conjunto padronizado e de baixo custo para a substituição de sistemas obsoletos. Duas décadas depois, as soluções ERP integram todos os processos essenciais para o funcionamento de uma empresa, interpretando dados e oferecendo análises em tempo real.

Olhando para o futuro, o desenvolvimento do ERP não mostra sinais de desaceleração enquanto entramos em 2019.

Um exemplo é a previsão da empresa de análises financeiras MarketWatch de que o mercado de ERP global chegará a 47 bilhões de dólares até 2022, o que representa uma taxa composta de crescimento anual (CAGR) de 7%. Outras são ainda mais otimistas, como a Stratistics MRC, que acredita que o setor irá mais que dobrar de tamanho ao longo dos próximos oito anos, chegando à marca de 74 bilhões de dólares até 2026.

O crescimento deverá ser sustentado por diversos fatores, incluindo a integração de nuvem, medidas de segurança de dados mais eficientes e a integração de tecnologias de última geração como machine learning e inteligência artificial (AI). Mas o que exatamente podemos esperar de 2019? Abaixo nossas principais previsões para o setor de ERP ao longo dos próximos 12 meses.

A nuvem tomará conta

A adoção da nuvem continuou a crescer em praticamente todas as áreas das empresas ao longo de 2018, com as organizações acelerando seus projetos de implementação e integração e transformando suas principais funções. Assim, a transição de sistemas ERP legados para aqueles baseados na nuvem torna-se cada vez mais atraente.

Ainda assim, a transferência do ERP para a nuvem muitas vezes ficou atrás de outras áreas, como CRM. Isso se deve principalmente a uma série de desafios, incluindo questões de segurança, escassez de habilidades e preocupações em relação à lentidão e ao alto custo das implementações.

Apesar dessa relativa lentidão, 2019 deve ser o ano da virada, quando o ERP baseado em nuvem se tornará padrão. Aos poucos, as empresas começam a perceber que o ERP na nuvem oferece as melhores soluções para os desafios atuais. Esse é o principal motivo para a estimativa de crescimento de quase 30 bilhões de libras até 2021. Umas das únicas exceções a essa tendência são os processos de manufatura, onde os analistas preveem uma adoção mais lenta.

Já em outros setores, um conjunto de fatores está impulsionando a sua adoção, incluindo o aumento da qualidade dos produtos, a necessidade de mobilidade e o monitoramento em tempo real de produção e processos. Uma característica importante para a gestão desse crescimento acelerado é a agilidade. Dada a rapidez com que as empresas modernas tendem a crescer, o ERP em nuvem tem papel importante na gestão desse crescimento e na melhora do desempenho dos negócios.

Como resultado, o ERP baseado na nuvem se tornará a opção padrão para empresas grandes ou pequenas que desejam crescer e modernizar os processos de negócios em um cenário cada vez mais competitivo.

Melhorias com inteligência artificial e machine learning

Já não é novidade que novas tecnologias como inteligência artificial e machine learning terão papel de destaque no futuro dos softwares ERP. Essas ferramentas oferecem uma série de benefícios, em especial a capacidade de automatização de processos, aumento de eficiência, geração de análises e insights e aumento na tomada de decisão por pessoas.

A AI pode, por exemplo, economizar tempo valioso para as empresas, destacando quaisquer anormalidades nos dados da empresa, em vez de os funcionários terem que analisar esses relatórios um a um. Seguindo nessa linha de raciocínio, AI ajudará a identificar possíveis problemas antes que eles ocorram, evitando o tempo de inatividade e resultando em economia de tempo, dinheiro e produtividade.

Ligado a isso está o uso de drones, que se tornam ferramentas de gestão de estoque cada vez mais comuns nas grandes unidades de manufatura. Eles simplesmente leem os dados das etiquetas RFID anexadas às máquinas e enviam essas informações para um sistema ERP conectado, onde as ferramentas de inteligência artificial geram relatórios sobre tudo, desde os níveis de estoque até os cronogramas de manutenção.

Por fim, AI também possibilita aos colaboradores tomadas de decisão mais inteligentes relacionadas a processos como operações, logística e manufatura. Em vez de substituir as pessoas, as ferramentas de AI e ML irão apoiá-las em suas funções, oferecendo níveis inéditos de inteligência, análise e insights.

Com tudo isso em mente, à medida que as empresas usarem todos os benefícios disponíveis, a integração das ferramentas de AI e machine learning ao software ERP deve aumentar ainda mais em 2019.

ERP cada vez mais perto da borda

Uma vez que o crescimento da Internet das Coisas (IoT) não mostra sinais de desaceleração, os fabricantes investirão mais em “soluções de borda” ERP com o objetivo de ampliar seus sistemas de base e impulsionar a produtividade em 2019. Dessa forma, a comunicação entre o número crescente de dispositivos IoT será cada vez mais integrada, ajudando na compreensão dos dados coletados.

Conectar soluções de ponta a dispositivos e produtos conectados à internet significa que os dados da IoT serão automaticamente direcionados para o sistema ERP principal. Em contrapartida, as empresas terão uma visão melhor das operações de sua cadeia de suprimentos e maior velocidade na tomada de decisão.

Esse processo também pode aumentar a inteligência dos negócios. Ao transferir partes do ERP para a borda, as empresas podem monitorar as operações das máquinas em qualquer lugar do mundo e realizar análises em tempo real dos processos de manutenção e minimizar interrupções. Essa percepção ajuda os gerentes na tomada de melhores decisões táticas e permite que eles saibam exatamente o que está acontecendo em toda a cadeia de suprimentos.

Além desses benefícios, ao longo dos próximos meses as soluções da borda baseadas em IoT serão cada vez mais acessíveis, levando mais e mais fabricantes a implantarem esse tipo de tecnologia em 2019. Quem não der esse passo, provavelmente perderá espaço para a concorrência.

Dados em todo lugar

Todos sabem que atualmente os dados estão entre os ativos mais valiosos para empresas de todos os setores, que agora dependem deles. Portanto, contar com um sistema ERP alimentado por dados e com a habilidade de acessar, analisar e apresentar esses dados de maneira compreensível para funcionários será mais importante do que nunca no novo ano que se inicia.

A simples coleta de grandes volumes de dados já não é suficiente. Caso queiram capitalizar os diversos benefícios operacionais que eles podem oferecer, as empresas precisam conseguir usar esses dados da maneira correta. Um exemplo seria o uso de ferramentas de análise conectadas ao software ERP, o que ajudaria as empresas nas previsões e projeções de cenário para suas estratégias futuras de negócios e a atender às necessidades dos clientes.

Alavancar dados também é essencial para identificar processos ineficientes, algo que já é regra cada vez mais nas empresas. Nos próximos meses, o uso de dados para melhorar os procedimentos internos será fundamental para se manter à frente dos concorrentes e garantir os melhores níveis de produtividade.

Portanto, em 2019 as empresas não estarão simplesmente coletando dados por meio de seus sistemas ERP. Elas vão usá-los para impulsionar suas operações, responder às mudanças do mercado e – talvez o mais importante – informar a estratégia futura. A catalogação de dados também terá uma importância ainda maior em 2019, pois a compreensão da origem desses dados e a forma como foram agregados ajudará a criar confiança na tomada de decisões baseada neles.

Blockchain ganha espaço

Não é segredo que o blockchain está chamando atenção em muitas áreas de software corporativo, e o ERP não é exceção. Ainda que esteja em estágio relativamente inicial, os casos de novos usos em ERP virão à tona ao longo dos próximos meses, especialmente quando se trata da transformação dos processos de manufatura.

O grande potencial do gerenciamento da cadeia de suprimentos como uma aplicação inicial do ERP blockchain já foi comprovado, por conta da maior visibilidade e rastreabilidade que ele proporciona. Por exemplo, o gerenciamento de estoques sempre foi um processo complexo e trabalhoso, especialmente para organizações globais, mas o blockchain tem o potencial de aperfeiçoar significativamente essas operações, unindo as redes da cadeia de suprimentos por meio de um sistema descentralizado.

Do ponto de vista da visibilidade, os sistemas blockchain ERP podem permitir que todos os envolvidos acompanhem a jornada do produto, desde o chão de fábrica até o varejista, sem preocupações relativas a perda ou alteração de registros. Em nenhum lugar isso é mais predominante do que no setor de alimentos e bebidas, onde o blockchain oferece transparência e dados sobre a proveniência do produto, da terra ao prato.

Essa tecnologia também poderá automatizar processos de negócios por meio do uso de ‘contratos inteligentes’, o que basicamente reforça a sua relação com os códigos criptográficos. Semelhante à configuração de pagamentos automáticos, os contratos inteligentes eliminarão a necessidade de as empresas enviarem faturas e efetuarem pagamentos, economizando tempo considerável e garantindo que todos os pagamentos sejam feitos instantaneamente.

Ainda é cedo, mas a capacidade do blockchain ERP de fortalecer a integridade e a automação das cadeias de suprimentos está cada vez mais clara, podendo ser uma opção extremamente atrativa para as empresas ao longo de 2019.

Em última instância, essas tendências apresentam um grande número de oportunidades para as empresas nos próximos 12 meses. O futuro do ERP parece promissor, com o potencial de transformar as operações de negócios. Como tal, a pergunta que as empresas precisam fazer não é se estão prontas para adotar esses desenvolvimentos, mas se podem ou não arcar com os custos.

*Robert Sinfield é Vice-Presidente de ERP da Sage

Fonte(s): Computer World

LEIA MAIS:

Comentários
Compartilhe: