Transformação digital: como fazer a gestão financeira na era da tecnologia?

A era digital veio para transformar de uma vez por todas o seu negócio: saiba quais ferramentas você precisa para que a sua empresa não fique para trás.

Pare para pensar por um instante em como era o seu dia a dia de trabalho há uma década e como ele é hoje. Para começar, não havia smartphones e aplicativos e o acesso remoto a conteúdos era um privilégio de poucos. A transformação digital também passou pela gestão financeira.

Hoje, em tempo real uma empresa emite uma nota fiscal e uma cópia dessa informação chega à Receita Federal e outra chega às mãos do consumidor. Cenas como essa agilizam a maneira como lidamos com as finanças. Para os gestores, trata-se de um prato cheio no que diz respeito ao acesso às informações. Quanto mais dados, mais assertivas podem ser as decisões.

Bem-vindo à era da centralização das informações

Ficou no passado o tempo em que as empresas trabalhavam internamente como silos isolados. Antigamente, cada setor tinha o seu banco de dados, gerava seus próprios relatórios, e a menos que houvesse necessidade, os dados não eram cruzados. As empresas modernas operam sob um banco de dados único, acessível para todos os setores, ainda que em diferentes níveis hierárquicos.

Graças a essa centralização das informações, é possível obter mais cruzamentos de dados e relatórios detalhados em tempo real, como nunca antes visto. O maior mérito das empresas de sucesso não está na coleta ou no armazenamento dessas informações, mas sim na capacidade de conseguir compreendê-las, decodificá-las e tomar as melhores decisões a partir delas.

De olho na visão do todo

Lembre-se que os silos ficaram no passado. Como o acesso à informação é global – e pode ser feito a partir de qualquer lugar –, cabe aos gestores se debruçarem sobre os fatos, analisando as perspectivas de negócio de acordo com a conjuntura do mercado. Ser mais agressivo ou conservador? Fazer investimentos ou pisar no freio? Decisões como essas continuam não sendo simples, mas há mais subsídios para que a decisão tomada seja a correta.

Isso faz ainda com que os gestores precisem conhecer “de tudo um pouco”, ou seja, eles têm uma necessidade cada vez maior de ter acesso a uma visão do todo. Uma escolha dentro do marketing pode impactar o setor de pesquisa e desenvolvimento e, consequentemente, as políticas de recursos humanos de médio e longo prazo. Tudo precisa ser pensado para que haja alinhamento e integração.

Menos é mais: cada detalhe importa

A ideia de que “menos é mais” ficou famosa quando a Apple, sob o comando de Steve Jobs, apostou no minimalismo em seus produtos, diminuindo até mesma a quantidade de itens disponíveis no portfólio para os consumidores. Em outras palavras, queremos dizer que é preciso fazer mais, mas consumindo menos recursos.

Sob o ponto de vista financeiro, isso significa um controle mais rígido das linhas de produção, diminuindo a mão de obra envolvida, os gastos de materiais, o tempo de armazenamento dos estoques, o tempo de produção e diminuição dos percursos nas rotas de distribuição. É praticamente impossível fazer tudo isso de forma eficiente sem contar com o auxílio de softwares específicos.

Acesso remoto à gestão financeira

Entre todos os itens que podem se beneficiar da automatização em sua empresa, a gestão financeira é sem dúvida um dos mais importantes. Por meio de softwares específicos, como o Sage Business Cloud Enterprise Management, é possível registrar em tempo real todas as operações de entrada e saída, permitindo que os gestores tenham uma visão global do fluxo de caixa em tempo real.

Além desta ser uma maneira eficiente para provisionar valores relativos a tributos, taxas e impostos, evitando o pagamento de multas desnecessárias decorrentes de atrasos, essa é também uma forma inteligente de calcular valores disponíveis para investimento e compreender qual é a melhor maneira de lidar com os gastos no dia a dia visando otimizar as receitas.

Um escritório contábil sempre ao seu alcance

A automatização de tarefas resulta em ao menos três pontos positivos:

  1. O primeiro é a redução de mão-de-obra necessária para a execução de uma determinada atividade;
  2. O segundo é o aumento na precisão dos resultados, diminuindo as possibilidades de erros;
  3. O terceiro é que seus colaboradores passam a atuar de forma mais analítica, deixando de lado um trabalho operacional.

A soma desses fatores, aliada aos benefícios que a computação na nuvem proporciona, faz com que qualquer profissional responsável pelas finanças da sua empresa possa ter acesso a essas informações em tempo real, independentemente de onde esteja ou do dispositivo que tenha em mãos. Um simples smartphone pode resolver o problema – o que reduz de forma significativa os custos operacionais.

Já passou da hora de você transformar a sua empresa

Quando uma nova tecnologia surge no mercado, aqueles que têm a oportunidade de ter acesso a ela em um primeiro momento acabam se vendo com um diferencial competitivo em mãos, capaz de aumentar o faturamento reduzindo os custos em uma proporção na qual seus concorrentes não são capazes de acompanhar. Porém, com o passar do tempo os custos de acesso às tecnologias caem, mais empresas embarcam nessa onda e as margens de vantagem diminuem.

Você precisa ter clareza para compreender onde a sua empresa se encontra nessa equação. Sua companhia tem condições de estar à frente das demais, sendo um polo de inovação? Sua empresa tem condições de ser uma early adopter, ou seja, aquela que adota tecnologias logo no lançamento (e estar disposta aos riscos delas)? Ou a sua companhia está defasada e precisa “correr atrás” para alcançar os concorrentes?

Independentemente da sua resposta, quando se trata de adoção de tecnologia, é preciso agir rápido. A solução que é eficiente hoje pode ser superada amanhã. Por essa razão, você precisa estar sempre ligado nas novidades e adotar aquelas que mais fazem sentido para o desenvolvimento do seu negócio. Isso requer planejamento e estudo contínuo, mas trata-se de um caminho sem volta: a transformação digital veio para ficar.

LEIA MAIS:

Comentários
Compartilhe: